sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

+1.

Novamente natal.
Eu aqui, na segurança do meu quarto, ouvindo O Rappa.
O natal desse ano parece até uma continuação do natal passado, é como se eu tivesse na mesma noite de um ano atrás. Rápido demais. Muito mesmo.
A diferença é tão singela e dantesca ao mesmo tempo.
Hoje eu posso, eu consigo sentir tudo a minha volta, a vida circula em cada partícula do meu corpo. E o sorriso se faz presente.
Trabalhei na madrugada, foi sossegado.
Pra variar estou muito feliz.
Sabe caro leitor hoje eu me sinto especial, consegui perdoar meus erros, ergui minha cabeça diante de cada tropeço.
Crescer tem sido bom!
Me sinto com um gás enorme, e esse gás pede para ser gasto. Essa energia me move.


Uhuuu...eu estou vivendo!


O ano termina e 2009 foi super, foi mega, foi blaster.
Eu me pergunto até quando esse ciclo vai continuar? Até quando o senhor da vida nos permitirá seguir com nossos erros e acertos? O fim estará mesmo próximo?
Eu não tenho essas respostas.
Costumo pensar da seguinte forma...

...faça tudo que você acha necessário, faça o que você pode. O que esta ao seu alcance. E se mesmo assim as coisas não derem certo, você terá uma certeza. A culpa não foi sua, pois você encarou a vida de frente, você correu atrás.
Certas coisas estão acima de nossas mãos, e para todas as outras basta pular o mais auto possível.


Um brinde a VIDA
e um abraço para VOCÊ.

sábado, 12 de dezembro de 2009

A guriazinha - Final.



O majestoso anjo olhou no fundo dos olhos da menininha, podia tocar em sua alma, tamanha era a sinceridade do seu olhar.
- Pule! - disse o anjo -, e desse modo você não sentirá mais dor alguma, e sua tristeza acabará. Porem, lá em baixo o sol não brilha e você nunca mais verá o brilho das estrelas e jamais voltará a se refrescar nos ventos da noite.
Ou se preferir, volte comigo! Volte a viver, e dessa forma sentirá a sua dor e toda sua tristeza continuará. Mas, se você voltar, eu lhe prometo menininha que vou permanecer a seu lado, prometo me sentar contigo sob as arvores do jardim, e farei o vento soprar em sua varanda sempre que for necessário.
Volte comigo. Eu lhe ofereço minha eternidade, minha presença.

- A escolha é só sua!

A menininha se colocou a pensar por algum tempo, e então começou a andar. Foi até a ponta do penhasco, olhou para baixo e seu corpo estremeceu, seus olhos arderam, e seu coração parou.

A menininha morreu, e o anjo chorou.

Tal como um relógio, que após um longo tempo sem funcionar volta a fazer tic tac, o coração da menininha voltou a bater.
É que quando tudo parece ter chegado ao fim, quando nada mais é possível, e quando o fim se faz presente é preciso que morramos, pois somente assim poderemos enterrar o passado e começar de novo.
A guriazinha correu, correu como jamais havia feito antes, correu para os braços do seu anjo, ele a esperava de braços abertos...
Entrelaçada nos braços do seu nobre anjo a menininha chorou, sua lágrima foi sua semente, a semente do novo.

O anjo sorriu e disse.
- Foi uma escolha sábia menininha
.
P.S Leiam os capitulos anteriores.
(Imagem, by google)

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

O café, a faca e a chuva.

Eu certamente gostaria de escrever sobre algo de bom, falar talvez do meu niver que foi ontem, ou quem sabe falar do sábado MARAVILHOSO que passei ao lado dos amigos. Mas infelizmente, esses não serão o tema do post de hoje.


Se você meu caro leitor mora em sampa, ou se assiste ao noticiario, certamente deve saber que hoje caiu uma baita chuva na cidade, o que a fez parar. Marginais e ruas alagadas; trânsito, pessoas chegando atrasadas no serviço, e por ai vai.
Meu dia começou um pouco diferente, hoje acordei vinte minutos atrasado, caia uma baita chuva. Tomei café da manhã, coisa que não faço sempre. Sai de casa por volta das seis horas. Chegando no ponto o ônibus não demorou á passar.
A chuva continuava a cair, ônibus lotado, eu já estava ficando sonolento, fechando e abrindo os olhos.
Dentro do ônibus todas as janelas estavam fechadas, afinal de contas chovia. Algumas janelas estavam entre abertas, e foi por isso, e só por isso, que o fato que me levou a escrever hoje aconteceu.

No ultimo assento, aquele que fica de costas para a porta de saída, sentava-se uma moça com a janela ao lado fechada. Um homem logo atrás dela abriu a janela totalmente, desse modo a chuva começou a molhar a moça, esta por sua vez se irritou e fechou a janela. Começou então um abre e fecha, e nasceu assim uma pequena discussão verbal.
Nesse vai e vem um outro rapaz que estava ali perto entrou na discussão em defesa da moça, alegando que era impossível abrir a janela, pois a moça se molharia, e concluiu salientando que o homem que tanto queria a janela aberta trajava uma blusa de frio, sendo assim, não estava realmente com calor.


Acho que todos nos já pegamos ônibus lotado em dia de chuva. É horrível, tudo abafado, aquele monte de gente respirando o mesmo ar, porem, abrir as janelas molharia todos que estivessem sentados.
O tal homem, que tanto queria a janela aberta, sacou de dentro da bolsa uma faca enorme, igual aquelas de açougueiro, e tentou desesperadamente esfaquear a moça e o rapaz, por muito pouco ele não conseguiu. Nesse momento o interior do ônibus se tornou um verdadeiro caus, pessoas correndo, gritando, outros pularam a catraca, e alguns saíram para fora. E só para ressaltar, tudo isso aconteceu as sete da manhã, em meio ao trânsito da via dutra.
Fim da história, o homem foi posto para fora do ônibus, ninguém saiu ferido, e o mundo que não havia parado, continuou a rodar.

Eu, em meio a tudo isso, confesso que também corri, que também entrei em desespero. Pensei por alguns instantes que iria morrer ali.
Passado todo o desespero eu comecei a tremer, tive vontade de chorar, mas não foi por medo, foi por ódio, por raiva. Raiva do ser humano, do homem que mata, que mata um semelhante por mero motivo.
A cada dia eu sinto menos vontade de permanecer nesse mundo. A cada dia eu me surpreendo mais com o ser humano, e o meu maior medo, minha maior vergonha, é saber que também sou...


SER HUMANO.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Acabou.


Vou falar dos amigos, dos meus melhores.



Sei que já falei várias vezes sobre isso, já lamentei até demais, ou melhor...não, eu não lamentei o suficiente.

Foram 15 anos poxa vida, quinze anos indo e vindo da escola, e os últimos três, foram tão bons.
Eu pedi amor, e ganhei amizade. Pedi um alguém especial e ganhei um monte deles.
Nos éramos uma panelinha, éramos o fundão da sala.
Ah, como foi bom, como foi sublime estar com vocês.
Acabou, hoje foi meu ultimo dia de aula. Eles não foram, talvez para não ter que dizer adeus.
O céu traduziu em cores o que eu senti. Ele estava escuro, negro, tal qual eu me sinto.



VAZIO.



Andei pelo pátio, sentei e olhei cada lugar que costumávamos sentar juntos para conversar, rir uns dos outros, ou simplesmente passar o tempo.
Ah, o tempo como ele é traiçoeiro, como ele é insensível. Continua passando sem se importar com a minha dor, ele não espera eu me recuperar, ele não para, nem mesmo para eu chorar.
Eu só conhecia o AMOR á dois. Porem, agora conheço o amor coletivo. Sinto necessidade do meu grupo. Quero vocês de volta!

A falta é uma doença que mata aos poucos, mas eu sou forte e vou superar.

Mas, se superar a falta for ter que esquecer de vocês, eu prefiro definhar com ela, prefiro morrer da falta que vocês me fazem.


quinta-feira, 26 de novembro de 2009

I'M HAPPY


oi.

Hoje vou falar de mim.


Falar que estou muito satisfeito da vida, pra ser mais objetivo...estou FELIZ.

Falar que estou ouvindo Jason Mras, em especial a musica "If it kills me". Falar que não tenho lido muito, e que estou dormindo pouco.

Falar também que estou aproveitando ao máximo os últimos dias de aula, estou sugando cada sorriso, armazenando cada frase, respirando cada momento. Pois somente assim eu suportarei a saudade.

Se você leu meus últimos post's sabe que á cerca de um mês eu recebi uma proposta de emprego para trabalhar no Mcdonald's, que para o meu bem acabou não dando em nada. A poucos dias eu consegui um novo emprego, muito melhor que o mc, mais perto de casa, menos cansativo e melhor remunerado.

Agradeço ao senhor Deus da minha vida. Finalmente consegui meu primeiro registro em carteira, confesso que este era um dos meus grandes sonhos.
Agora eu trabalho em uma loja, o serviço me faz feliz e eu me sinto útil.
Nos últimos dias eu tenho me sentido de uma forma tão estranha. Beneficamente estranha.

Parece que a felicidade finalmente veio pra ficar. Ela se instalou na minha vida de uma forma que eu não acredito.

Eu me recordo dos tempos de dor, dos tempos de desespero e da falta de esperança, lembro perfeitamente como eles me dominavam, me prendiam. A felicidade faz exatamente igual, só que o efeito é contrário, ao invés da dor, eu sinto alívio, sinto PAZ.
Minha lista de sonhos tem uma frase riscada, e a que vem logo abaixo mal pode esperar para que o mesmo aconteça com ela.

Estou quase terminando meu post, quero deixar uma dica, ou melhor, uma indicação.

Olhem para o céu, e vejam o quão magnifico é o flutuar das nuvens.

Fechem os olhos, e sintam o quão macio é o tocar do vento sobre sua pele.

Vejam o sol nascer amanhã.



Boa noite.

sábado, 21 de novembro de 2009

Bad Day

Tudo começou quando eu acordei por volta das 10:00 hrs. Fiquei de folga hoje, fez um sol escaldante pela manhã. Por volta do 12:00 eu tomei banho e me vesti. Marquei com alguns amigos, entre eles a Ester, de ir no cinema ver 2012. É bom lembrar que durante toda a semana fez um puta sol, daqueles que nos faz assar feito churrasco.

Quando eu coloco o pé pra fora de casa começa a pingar, o pessoal vai chegando aos poucos, e quando a chuva começa a aumentar nos saímos, de guarda chuva e fomos para o ponto de ônibus. Ou melhor, queríamos ir, a chuva não deixou! Parávamos a cada cinco minutos para nos proteger da chuva, molhamos sapato, roupa, o corpo inteiro, porem, não desistimos, com chuva ou sem chuva nos íamos para o cinema.

Depois de muita chuva finalmente pegamos o ônibus. Começa então a segunda parte do adorável dia.


Pegamos O trânsito, com T maiúsculo. Resultado, fomos andando da metade do caminho (a chuva deu uma trégua). Chegando no cine vocês não vão acreditar... NÃO TINHA ENERGIA. Por sorte ( sim, ainda havia um pouco de sorte mesmo em meio a tanto azar) o cinema tinha gerador. 2012 só após as 08:00 hrs. Decidimos ver LUA NOVA. Porra, eu tinha jurado que não ia assistir esse filme na estreia, jurei pra mim mesmo que só iria depois que todas aquelas garotas fúteis tivessem assistido. Porem lá estava eu, em uma sessão de estreia da futilidade do ano.

O azar rolou solto na sala de projeção. Segue abaixo uma pequena lista.


Sem ar condicionado.

O lugar parecia uma sauna.

Um palhaço idiota tentando animar o povo.

Um tiozinho querendo se aparecer.

Um projetor que pegou fogo.

Um filme que não chegava.

Um filme de cinema que tinha mais pausas doque sessão da tarde.

É amigos, eu passei por tudo isso, e o pior, de all star molhado. O projetor estava bichado, parava a cada meia hora. O povo gritava, o suor me fazia derreter, mas eu só sai de lá quando acabou...uhuuu, eu superei.



Se me permitem, eu quero deixar algumas considerações enquanto ao filme.

LUA NOVA
por Arlan Souza.

Um bom filme, principalmente se você é uma garota de 17 anos e adora gritar.
Eu diria que foi um bom filme, lembrando que para mim, BOM, significa cinco, traduzido em números.
O filme superou e muito o primeiro (crepúsculo) os efeitos especiais estavam plausíveis, porem nada de novo. A atuação Kristen Stewart continua morta e sem sal. Robert Pattinson segue no mesmo caminho, mas ele ainda consegue oscilar entre o bom e o mais ou menos.
Taylor Lautner foi o que chamo de "o melhorzinho".
Em um contexto geral o que faltou em Lua Nova foi uma melhor atuação por parte do elenco principal, o filme segue o contesto geral do livro e transmiti a ideia principal. Por fim eu lhes digo.
Não se deixem levar pelos números, pelas bilheterias. Não é de hoje que uma grande obra é contada por qualidade, e não por quantidade.



(IMAGEM BY GOOGLE)

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

A guriazinha - Parte 3

Por que estas triste menininha? - perguntou o nobre o anjo - Por que choras?
A menininha nada respondeu, não queria falar, queria apenas dormir, dormir para sempre. Mas o anjo foi persistente, e perguntou outra vez.


- Menininha, me diz por que você não olha mais para as estrelas? Por que você não vai mais ver o sol pela manhã? - novamente o anjo não obteve resposta, mais ainda assim ele continuou a falar.


- Sabe menininha, eu costumava te acompanhar até a padaria, eu te esperava todos os dias sob as árvores no jardim da escola. Porem, você parou de ir até lá, e agora eu também me sinto infeliz, me sinto desamparado. Sua dor é a minha dor também.


A menininha parou de chorar.


- Venha menininha. - o anjo lhe estendeu a mão -, Quero lhe mostrar suas opções.

Ela apertou forte a mão do anjo, e desse modo, ambos foram sucumbidos pelo vácuo.



O lugar onde se encontravam agora era frio e deserto. Estavam no alto de um gigantesco penhasco cercado pelo maior dos oceanos, e envolvido pelo mais escuro dos céus.


- Veja só menininha, estamos no meio do nada. Aqui seu choro não pode ser ouvido; aqui existe somente a escuridão. É exatamente assim menininha que encontra-se sua vida. É desse modo que você tem passado. No escuro!

O anjo apontou para para o fim do penhasco onde se avistava um abismo e prosseguiu.


- Você tem duas escolhas menininha.



continua...



(imagem by Google)

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

A perigosa sensação de ser ETERNO


As vezes eu penso que sou eterno, que viverei pra sempre. Ou melhor, sei que vou morrer, mas é como se isso fosse algo pífio. Porem não é.

Já parou para pensar se de uma hora pra outra você morre? Seja indo pra escola, ou quando for comprar pão na padaria? Caso isso aconteça você partirá em paz? Com a certeza de que fez exatamente tudo que quis e tudo que precisava fazer, dizer, ver e realizar?

Claro que não! Talvez não haja ninguém nesse mundinho que caso morresse agora, morreria satisfeito. Talvez os que amam e são correspondidos, talvez os bem resolvidos com Deus. Mas creio ser esse um número misero de pessoas.

Eu tenho tanta coisa pra fazer, para ver e sentir. Mas quase sempre eu tenho a estranha sensação de que viverei para sempre. E sendo assim não devo ter presa, mas logo em seguida vem aquela cobrança interior.

- Seu idiota, faça hoje, faça agora! Porque amanhã você simplesmente puff. Morre.

Bom, desse sentimento eu posso extrair aquele velho aprendizado.

Procure fazer tudo que quiser, ou tudo que conseguir. Diga o que acha necessário, mesmo que não seja o melhor. Pule, cante inglês de vez em quando. Viaje, beije, leia todos os livros que tem vontade, realize-se, busque seus sonhos com a mesma necessidade que busca o ar.



Arlan de Souza.

domingo, 15 de novembro de 2009

A guriazinha - Parte 2

No jardim da escola local uma garotinha não foi sentar-se sob as árvores. Na varanda de uma casa qualquer faltava alguém, uma menininha que costumava contemplar o céu, sentir o vento e sonhar junto as estrelas.

Passaram-se vários dias e o cinza do mundo teimava em permanecer. Durante todo esse tempo o coração de uma jovem pereceu, e sua alma dormiu.

Não havia motivo -, pelo menos nenhum que pode-se ser visto ou tocado. É que as dores que realmente sangram, que realmente doem, jamais poderão ser vistas a olho nu, essas dores só podem ser sentidas.

A garotinha não sabia explicar, ela não encontrava palavras. Nada no mundo poderia medir ou traduzir sua dor. Ela simplesmente parou de viver, seu corpo respirava, seus lábios ainda sorriam, não por alegria, era simplesmente por obrigação. Afinal, quem sofre não quer compartilhar, ou talvez não consiga. Não ache justo.
A dor da menininha lhe veio quando as verdades do mundo bateram em sua porta, chegou exatamente no dia em que ela se viu crescer. Naquele momento sua alma sentiu que nada mais seria igual, tudo estava mudando, porem nunca disseram a menininha que tudo muda, nunca a disseram que pessoas vem e vão. É que a vida é feita de ciclos, de etapas, e a menininha acabara de concluir mais uma delas.


Após muitas semanas de um cinza sufocante o sol novamente apareceu iluminando todo o mundo. Iluminou os jardins, as varandas, mas não iluminou o coração da menininha.


Agora ela estava doente, não saia da cama, não ia mais á escola nem ao menos sorria. Nem mesmo por obrigação.
A menininha não acreditava mais em anjos. Mas eles continuavam a existir! E certa manhã, um deles foi visita-la.


Continua...

desenho: Arlan de Souza.

A guriazinha.

Ester é uma grande amiga, talvez a melhor que tenho. Ultimamente eu e ela temos sofrido de MDF, uma doença muito comum, que pode até matar caso não seja tratada com o devido cuidado. Seus sintomas são lágrimas repentinas, medo, desespero, falta de coragem, e um completo vazio interior; uma lacuna enorme na vida. Estou falando do Medo do Futuro.
Na mesma noite em que a Ester teve sua CRISE de MDF, me veio a inspiração para a singela histórinha que escrevo a seguir.


Seu nome é Ana, uma garota comum. Olhos castanhos e cabelos negros que pendem até abaixo do pescoço

Ana costumava sentar-se sob as árvores do jardim de sua escola. E pela manhã ela gostava de ir até a padaria da esquina por dois motivos: primeiro para sentir o nascer do dia, o cheiro da manhã e a calmaria do mundo que começava a acordar. E segundo, para comprar pão fresquinho.

Na casa de Ana á um quarto só para ela. Em noites mornas de céu estrelado a garota deitava-se no chão da varanda para refrescar-se com a brisa e deixar que a imaginação flui-se junto ao brilho das estrelas.

Em uma manhã como qualquer outra, Ana ouviu no notíciario que uma forte chuva se aproximava da cidade.

Naquele dia o sol não apareceu, o mundo ficou cinza, as ruas ficaram calmas, e durante a noite o céu não teve estrelas. No dia seguinte a previsão do tempo se cumpriu, caiu uma chuva tremenda, o sol novamente não apareceu e o cinza se perpetuou no céu.



( CONTINUA)...


imagem by. Google.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Eu de novo.

Eu iria dizer que estou sofrendo de Bloqueio Mental, porem mentiria se o fizesse. Na verdade eu estou sofrendo de Priguissite aguda. Na ultima segunda-feira eu fui na TV cultura, participei da gravação do programa Manos e Minas, curti muito, a atmosfera do lugar me surpreendeu, e durante aquelas poucas horas de gravação eu simplesmente esqueci do mundo.
Estava presente um grupo de samba roque, os caras cantaram até Beatles, foi tudo de bom.

O apresentador Thaide, é uma simpatia envolvido de humildade.


Mudando de assunto quero registrar que eu nunca pensei que fosse tão difícil estudar em casa por conta própria. No fim do mês eu vou prestar concurso publico, e tenho que estudar legislação e fundamentos básicos da língua portuguesa e da matemática. Da mó preguiça, as vezes eu concluo que nem preciso me dar ao trabalho de estudar, mas claro...é mentira.

Eu necessito desenvolver minhas habilidades naquelas diversas formulas e números, preciso decorar, ou melhor, aprender definitivamente aquelas benditas regras gramaticais.

Em conhecimentos gerais sei que me dou bem, então vou procurar focar em português e matemática.


Mudando outra vez de assunto, essa semana eu tive uma nova ideia, para um novo livro.

Chama-se...O Colecionador de Perfumes, é diferente de tudo que já escrevi.

Eu vou indo, mas volto logo.

Abraços.

domingo, 8 de novembro de 2009

Agradecimentos

Olá, confesso que estou muito feliz, pois o blog parece está dando seus primeiros passos.
Recentemente recebi alguns comentários -, claro, eu tenho divulgado um pouco. Porem, um ou dois comentários foram inesperados.
Para quem comentou, meu humilde obrigado, e voltem sempre.
Peço que fiquem à vontade para comentar os erros, pois sei que tenho muitos.
Em breve uma nova postagem.
Abraços.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Medo.


O post de hoje é bem clichê

Pra esclarecer melhor vamos direto ao ponto.


Dezoito anos, terminando o ensino médio e a pouquíssimos dias do primeiro emprego.


Antes de mais nada quero registrar aqui que eu consegui um novo emprego, o primeiro com carteira assinada, onde? (ah, preciso mesmo escrever?) no macdonald's (xiiii), ta eu sei é muito puxado, o salário é misero, mas eu não tenho lá muitas opções. Tenho que me virar com aquilo que apareceu, nas atuais circunstâncias eu não posso ficar escolhendo onde trabalhar.


Começo dia 15 de novembro, estou ansioso, e cheio de dúvidas e medos, conseguirei dar conta do trampo? E se der tudo errado?


É, eu sou dramático, ok. Continuando, ainda tem o caso da escola, fim do ensino médio...o que fazer depois? Eu sempre me considerei bem resolvido nessa questão doque fazer depois, porem ontem isso mudou.


Queria fazer ADM, mas segundo pessoas do ramo, exige muita dedicação e responsabilidade, sem falar que o dia-a-dia é bem monótono, sempre a mesma coisa, números, notas fiscais, computador, escritório...etc (chega cansei).


Refiz meus planos, quero fazer um curso técnico em turismo, trabalho durante algum tempo na área, e depois entro pra faculdade de Publicidade e Propaganda, ou Jornalismo, fazendo o que gosto, e o melhor, sendo pago por isso. Mas tem um probleminha, o abençoado medo outra vez, e se tudo der errado e eu não conseguir trabalho? Bom, cansei de ficar suposicionando o futuro, de ficar dando chutes sobre o que me espera. Vou mesmo é dar minha cara para bater, farei o que acho certo, ainda que seja o errado.


Ano que vem farei minha matricula em um curso técnico, sacrificando meu abençoado salário em estudos, quando aparecer oportunidades eu presto concursos públicos, e com muito luta e força de vontade eu me realizo. Me desejem SORTE.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

A sunga vermelha do Senador.


Oi pessoas.
Posto agora um artigo de opinião que fiz na escola como trabalho de literatura.

A sunga vermelha do SuperCY.

O desfile do senador Suplicy pelos corredores do senado nada mais é doque a queda definitiva daquilo que já não existi a muito tempo....O decoro parlamentar.


Avalio a cena cômica, como a falta de ética e respeito perante a sociedade a qual o senador representa, é a desmoralização para com o meio publico.

A mascará caiu. Eles não temem mais a verdade.

- Sim vocês nos deram seus votos, e nós? Ah, nós somos super heróis. Podemos tudo.

Quem é ele? Um pássaro? Um avião?

Não!

Ele é o SuperCY.




Arlan de Souza.
(Imagem: Roberto Stockert Filho / Agência O Globo - 15/10/2009)

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Fones de Ouvido...


...eles foram feitos para serem usados!

Creio eu ser de concordância geral que fones de ouvido tem como finalidade o uso, certo?

Errado, é só pegarmos um ônibus, metrô, ou entrar em ambientes públicos e popularmente coletivos para vermos a falta do uso dos nossos queridos amigos. Sinceramente eu não tenho nada contra, funk, rap, pop, ou qualquer outro tipo de musica, mas façam-me o favor.
EU NÃO SOU OBRIGADO A OUVIR O MESMO SOM QUE VOCÊ. Usa aquele troço chamado FONE DE OUVIDO, e ouça sua musica só para você, deixa para usar os alto falantes quando tiver em casa ou em um ambiente onde todos curtam o que você vai ouvir.

Precisamos respeitar o espaço do próximo, e antes que você deixe um recado me criticando eu confesso. Não, eu não sou perfeito, mas vamos colaborar .

Abraços.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Um pedido...

Se você parasse de me visitar em meus sonhos tudo se tornaria mais fácil.
Peço que não me visite mais, que não vá me perturbar dizendo... " - É engraçado, as vezes eu penso em você."
Não me dê beijos inexistentes. É incrível, parecem tão reais.
Você esta feliz, eu vejo isso. A sua felicidade me faz feliz, á distância é claro.
A minha vida esta entrando nos eixos, peço que por favor...não me perturbe mais.
Arlan de Souza.

P de Necessidade

Eu preciso de energia.
De gás.
De um UP.

Eu preciso afogar pensamentos,
e me perder dos questionamentos.

Eu preciso de um sono profundo,
longo e impertubavel.

Eu NAÕ preciso pensar...
Ao menos essa noite.

Eu vou apenas olhar
além de tudo que eu já olhei.


Arlan de Souza.

sábado, 12 de setembro de 2009

Motivos para uma vida feliz


Faz um tempão que eu não posto nada, a postagem de hoje é também uma justificativa ou quem sabe até uma tese (rsrsrs)
Confesso que sempre detestei os meus domingos, sei lá são tão chatos e vazios...ocos.
Os sábados até são digeríveis, sendo sincero eu gosto dos sábados.
Hoje, nesse momento eu sinceramente não estou lá muito... “pra cima”
Essa falta de entusiasmo, essa apatia com os dias de domingo, tem ligação direta com a minha falta de bases, de coisas e pessoas que me façam desejar e gostar dos domingos.
Por exemplo, se no sábado eu marca-se de sair com amigos, ou fazer algo diferente com a família (mesmo e acima disso se realmente eu deseja-se fazer um programa diferente com a família) eu iria passar a semana esperando pelo sábado, igualmente seria com o domingo, eu desejaria acordar, tomar um banho e aproveita-lo ao máximo, almoçar em família, e a tarde sair pra caminhar, dar uma volta no shopping, coisas do tipo.
Imagina só se eu tivesse alguém que realmente eu deseja-se estar ao lado, desfrutar da companhia....se fosse assim eu passaria a amar os meus domingos.
Nós seres humanos sabemos o caminho, sabemos a solução, mas somos redundantes em não faze-la, não segui-la.

Sonhar é a essência da vida.

é uma insistência natural de todo ser humano.

Nascemos com essa vontade, e ainda que não a façamos...

ela nos guiara eternamente, viva ou ausente.

Existem os que se fazem mais fortes junto ao desejo de sonhar.

Outros são mais práticos e preferem agir a ter que planejar

Sonhar é essêncial, realizar é primordial.

Arlan de Souza

domingo, 26 de julho de 2009

Crises.


As vezes penso que talvez fosse melhor se não tivéssemos opções.
Se simplesmente tivéssemos que fazer o certo, sem se questionar, sem haver a necessidade do diferente, de outras formas de se fazer o que deve ser feito. Mas que graça teria viver assim?
Ah como eu quero, como eu desejo chorar, chorar por noites e noites, pelo amor perdido, pelas oportunidades perdidas, por mim.
Um abraço... a de haver no mundo alguém capaz de saciar minha sede? de preencher meus braços com o abraço que a tanto desejo?
Ou não. Terei eu me condenado... sinceramente eu não quero mais escrever, chega. Cansei de mim mesmo, chorar é bem melhor, sinto falta, mas do que? De quem, é algo que nem existe, é uma vontade que se manifesta, que não tem princípio.



É assim meu início meio e fim.
Meu passado, presente e futuro.
Minha outrora, meu amanhã.
Meu suco de abacaxi.
Meu remédio amargo.


Meu sonho...
meu maior pesadelo.
Sou eu.
É o menino sonhador de 7 anos.


É o jovem, o pecador.
O clemente, o piedoso
O injusto.
O hipócrita.
O mentiroso.

Pedir, o que? Pra que?
Existe o que quero?
Afinal... o que eu quero?
QUEM EU SOU?


Arlan de Souza.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Harry Potter (filme 6)

Não foi nem de longe o que eu queria, mas foi quase o que eu esperava.

Cenas importantíssimas foram cortadas, como o combate na escola entre alunos e comensais, essa parte era primordial para o filme.

A Hermione, coitada...ficou bêbada, essa parte eu ainda não digeri.
Parabéns para Tom Felton, sua atuação foi brilhante, o mesmo não pode ser dito sobre Michael Gambon e sua precária atuação no papel de Dumbledor.
Coisas que haviam se tornado marca registrada de HP, como o tema de abertura da série, foram excluídos, sem falar no percurso do trem, que se tornou um semi árido. O clima de mágia praticamente sumiu, feitiços quase não são mais vistos, sem falar que o Hagrid e o Neville, mais pareciam figurantes, tamanha foi a importância que deram a eles.

Sobre a direção de Yets, eu diria, bom, mas ele não sabe adaptar livros para o cinema, não mesmo!(pelo menos os do Hp não).

E a você que ainda não viu o filme...eu lamento, mas ficou muito a desejar, eu digo isso como fã. Agora, para quem não leu os livros, com certeza vai adorar o filme.


Abraços.
(Imagem: Warner Bros.2009.)

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Súbita vontade de postar.

Eu heim, cada coisa que me forço a fazer.
Estava eu agora a pouco, indo dormi, após claro ter feito minha tradicional postagem de domingo, desligo o computador, vou até a cozinha tomar um copo d'água, passo no banheiro, e derrepente uma súbita vontade de escrever, de postar algo aqui.
Pois bem, passam da 01:36 da manhã, e sinceramente eu estou FERRADO, sim, pois caso eu vá trabalhar amanhã,( é que eu ainda não sei se irei ou não) eu estarei com um pulta sono, imagina eu acordando daqui a 04:00 horas, nesse frio...hum não vai prestar.
Falando em frio, realmente tá muito frio(ta bom assim mesmo.) meus braços estavam congelando, mas quando voltei pra postar agora a pouco eu peguei minha coberta favorita, uma que já foi da minha mãe, é que certo dia quando ela ia jogar fora (pela idade da coitada, da coberta claro.) eu decidi pegar pra mim, sinceramente ela tem lá seus buracos e rasgões, mas esquenta mais que qualquer outra, é um apego emocional, gosto muito dela, uma relíquia de família (rsrsrs).
Já que estou sem sono mesmo, vou falar de bobagens...hoje eu decidi trocar de anti vírus, já baixei uns três hoje, claro um de cada vez, e deixando sempre apenas um no pc, agora estou com um tal de Avira, o infeliz é totalmente em inglês, e dificílimo de configurar, vou acabar voltando pro AVG, que também é em inglês, porém ele eu entendo.
É, acho que terei de arrumar sono em algum lugar, tenho que ir, mas estou sem vontade. Queria mesmo era passar o resto da madrugada aqui, mas sei lá, a consciência me manda dormi, e o corpo pede pra ficar. As vezes eu me pergunto, quantos loucos passam a madrugada assim, acordados? Pelo que tenho lido são muitos.
É interessante pensar que enquanto eu estou aqui no silêncio do meu quarto, a várias outras pessoas fazendo e pensando o mesmo, sem falar nos outros que dormem, é meio que..ah sei lá o que, é simplesmente...INTERESSANTE !
Estamos todos, querendo ou não, ligados por atos, pensamentos, desejos e outras coisas.
Bom, infelizmente a inspiração ta se esgotando, é isso...boa noite...ou melhor...bom dia.

domingo, 12 de julho de 2009

Eu preciso.



Há sim...eu preciso postar algo. Mas o que? Na verdade transbordam assuntos e temas a serem falados, talvez politica, a propósito, é incrível como nossos "caros" irmãos de Brasília passam a maior parte do tempo resolvendo seus problemas internos enquanto a nação fica a mercê do tempo. Me poupe, a cada vez que ligo a TV, ou entro no Terra, o que vejo é o congresso nacional, discutindo o mais novo desvio de verba publica, as contas de fulano no exterior, ou os mais novos beneficiados com o tesouro nacional.“Vergonhoso”... eu diria.

Mas não é sobre política que vou falar hoje. Talvez da estréia de Harry Potter na próxima quarta, ou quem sabe do meu fim de semana, talvez até da possível viagem para Campos do Jordão no fim do mês, mas provavelmente seria mais importante falar que Protigius Protego passou toda a semana parado, eu não escrevi uma frase que fosse.
Faz um frio agradável aqui em sampa, (pelo menos pra mim.) o sol imperou por quase todo o dia, mas ainda assim a sensação térmica era bem baixa.

Hoje almocei na casa da tia Cida, aqui em casa tivemos um breve apagão, que logo foi resolvido.

Estar de férias até em tão tem sido melhor doque eu imaginava, as vezes me veem a cabeça aquele pensamento, " são minhas ultimas férias de inverno como estudante do ensino médio." e ano que vem, como será? Conseguirei eu viver longe da escola, daquela balburdia, daquele calor humano onde eu provei os mais doces e amargos sabores?
Bom, só mesmo o tempo vai me responder... sim eu já estou terminando, não falei sobre nada, simplesmente sobre tudo que me ocorreu nos últimos dias, um abraço a quem leu, e até breve.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Meu trabalho.

Apesar de eu reclamar constantemente do meu trabalho, no fim ele tem lá sua parte boa. Afinal foram tantas as aventuras...a começar claro pela inesquecível vez em que eu voltei pra casa a pé na contra mão de uma estrada movimentadissíma.
Os longos e cinzentos dias de chuva e os sufocantes dias de calor intenso, foi devido ao meu trabalho que conheci boa parte da cidade onde moro, pessoas humildes e simpatissisimas passaram por minha vida, algumas delas continuam até hoje,.
Ser um ajudante de pedreiro é pra lá de cansativo, e muitas vezes chato, mas tem seu lado bom.
Me lembro da vez em que fui ao super mercado extra comprar bolachas pro almoço, entrei no mercado totalmente sujo e de chinelo, haviam manchas de cimento por toda minha roupa, e meu cabelo tava daquele geito, em algumas vezes eu ia de cabeça erguida me sentindo estrela de cinema, em outras eu me sentia um lixo.
A maior lição que extraio de cada suado dia de trabalho como ajudante de pedreiro é que tudo nessa vida é possível, e estar aqui hoje não significa permanecer aqui eternamente. logo que comecei a trabalhar nesta área eu chegava no serviço pensando na hora de voltar pra casa, não que isso não aconteça mais, porem menos frequentemente.
Bom, cumpri minha vontade oculta, falei do meu trabalho.

sábado, 20 de junho de 2009

Derepente me veio...



...uma vontade louca de escrever só não sabia o que. Só sei que agora estou em estado louco de vontade incontrolável de ti dizer algo,falar criar, a inveja me trás inspiração, loucura? não sei!estava folheando um velho amigo, tentando achar algo para escrever, ou melhor reescrever. Mas nada me chamou atenção, decidi improvisar, e acho que estou me saindo bem. Sem emprego, sem muitos amigos, sem dinheiro, porem com muita vontade de fazer algo. Só não sei o que!Fleches de ideias me vêem a cabeça, tento organiza-las, mas é envão, não consigo e por isso todas si vão sem deixar respingos, só mesmo a lacuna de que algo grandioso quis ser feito, quis ser mostrado, porem não foi. Quantos sonhos, quantas ideias, quantas vontades?depositados, esquecidos em algum lugar dessa mente preguiçosa, porem sonhadora, que tudo quer, tudo deseja. Por que então não reaviva-los, deixar sair?. Me falta o tempo!. Hora si algo que não vou fazer é mentir para eu mesmo, me falta perfeição. Fazer, e não fazer bem feito, não quero! muitas historias de pessoas e tempos distantes si perdem no infinito de minha memória falta-me habilidade para li dar com elas, lhes trazer a vida ao papel. Muitas tão belas e requintadas só vivendo-as pra saber, algumas de tanto que me perturbaram deixei sair, ou melhor soltei um pouco a corda e comecei a mostrar à elas o mundo de papel e caneta, ou de teclado. Depende de onde e quando surgem.....geralmente penso na vida, penso em mim, no que quero ou queria ser, em mundo distante, melhor ao meu jeito,então elas vão nascendo como?. Como um desenho começando a ser esboçado, aos poucos vou corrigindo e modificando ao meu modo, as vezes ou quase sempre discuto com eu mesmo o continuar de uma delas, prova real é essa que nada nem ninguém é perfeito, é claro com nossa eterna excessão....o senhor dos senhores, o criador de todas as fontes primarias de inspiração........DEUS......a vontade de escrever esta se acabando e antes que eu estrague ou piore os dizeres superiores vou eu me acabando por si próprio...enfim estou indo para em breve voltar...
 
Camaleão sentimentalista © Todos os direitos reservados :: voltar ao topo