sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Sonoridade Nostálgica.

(imagem: google.com)


O garoto clicou em uma pasta antiga com musicas igualmente antigas. Eram canções nostálgicas que iam desde James Brow a Rita Lee, Cassia Eller e Legião. Ele usava apenas uma cueca branca; ia dormir dali a pouco mas antes decidiu tomar um pouco de vodka com gelo e shuerps. Aumentou o volume do pc no máximo e começou a mexer o corpo ao som de Caetano, o menino homem dançava bobamente e uma nostalgia mal fundamentada tomava conta do seu ser, ele estava aéreo, mas estava exatamente aonde queria estar e fazendo o que queria fazer. Depois ao som de Cazuza ele gritou.- Ideologia, eu quero uma para viver. Também dançou Rita lee, e repetiu junto com ela que amor é bossa nova e sexo é carnaval. Renato lhe disse para fechar a porta do quarto porque ao telefone podia ser alguém com quem ele queria falar por horas e horas. Até mesmo Roberto tocou naquela noite. Eram canções não de uma geração ou tribo, mas de um monte de gente igual e diferente.

O garoto dançava de modo a parecer um indígena invocando algum tipo de entidade, e de olhos fechados ele sentia toda a saudade contida naquele instante sonoro. Até que voltou para Caetano e pediu para deixarem-no viver, tentar e gozar, e com Ana ele jurou que não ia viver como quem espera um grande amor. Cassia Eller o fez pedir a Deus um pouco de malandragem, afinal de contas ele é só um garoto e não conhece a verdade. Nando Reis o perguntou se ele trocaria a eternidade por esta noite, mas o garoto não soube responder, pensou talvez que noites melhores pudessem vir. Ele disse aos Engenheiros do Hawai que não conseguia odiar ninguém, - e não mentiu enquanto a isso!
Paulinho Moska lhe perguntou o que ele faria se só lhe restasse este dia, foi então que o garoto pediu um help e os Beatles responderam - "Oh Darling, please, belive-me".
Todas aquelas musicas o faziam sentir saudade de um tempo bom, um tempo em que tudo era mais humano e mais consistente. O garoto, embora jovem, é claro, sentia essas coisas que o passar do tempo mostra, ensina e faz sentir.
Enquanto ouvia sua rica pasta de musicas nostálgicas o garoto pensou no quanto o tempo e espaço haviam mudado e no fundo ele sabia que mudar é, e sempre será parte do processo evolutivo do mundo, da pessoas e do universo.
Mas o garoto concordou consigo mesmo, que segundo o que haviam lhe ensinado, evolução é algo positivo, que vem agregar. Transforma sim, também! Mas acima de tudo, evoluir, segundo aquele jovem de cueca branca sentado de frente ao computador as três da manhã de uma sexta-feira, era crescer, transformar, e acima de tudo, tornar-se algo melhor.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Some Words for you.

Os teus cabelos, os teus olhos, deixa-me faze-los meu porto seguro. As tuas palavras, permita-me ouvi-las com o som da tua voz. Quero ver você pronuncia-las. Quero rir das tuas piadas oportunas e quero rir também do contentamento de minha alma na tua simples presença. Espero sinceramente desperta em você igual, ou superior sentimento, espero, com esperança grandiosa que você esteja junto, esteja aqui. Por inteiro, por satisfação. E, assim como eu, por gostar de estar.
Eu consigo ver os teus braços no meu corpo; De, Bebel e Cazuza. Eu observo a chuva lá fora e nós dois aqui dentro, dentro um do outro. A voz deles está tão doce e estamos tão sossegados, tão avulsos ao tempo  e espaço que existe somente o agora, you and me.
Não quero ser o Ar que você respira, a tua vida dependeria da minha, e isso não é opcional. Mas, permita-me então ser uma brisa, que ti refresca e  alivia, conforta e faz a tarde valer a pena. Permita-me tembém ser a lã que ti aquece; e mais, as mãos que exploram teu corpo e sentido, teu juizo e tua razão.
Inteligência não é superioridade, é falar e ser ouvido, é chorar dores que muitas vezes só você entende e conhece.
Dizem que dialogo é coisa fundamental nessa vida, bom, isso parece que já temos, e olha que o nosso é regado a risos, brincadeiras e muito mais.
Não somente a pedidos, mas por satisfação também.
 Cá estão as minhas palavras pra ti.

 
Camaleão sentimentalista © Todos os direitos reservados :: voltar ao topo