domingo, 4 de março de 2012

O maior inimigo do homem, o invencível Tempo



E hoje o camaleão apresenta aquele com o qual teve seus primeiros debates, sua primeira dialética...

Desde os primórdios da história da vida do homem sobre a face da terra, onde o homem foi aprendendo a sobreviver à todos os aspectos que confrontavam e que cerceavam ao mesmo tempo e que dificultavam sua sobrevivência, o homem com sua magnifica inteligência de criar, elaborar, esquematizar, solucionar e improvisar ele foi vencendo os obstáculos, e assim aperfeiçoando as técnicas evoluindo cada vez mais, porém, nesse paradoxo, onde cada vez mais que ele desbravava e superava os obstáculos naturais ele iniciava um modo complexo de viver com seu próximo, ou seja, ele vivia em bandos, mas cada vez que aperfeiçoava sua comodidade de vida ele desaprendia a viver em conjunto e se isolando, até chegar aos dias de hoje onde cada vez mais ele se vê mais solitário.
Mas apesar do indivíduo, o ser humano, o ser vivo mais complexo da face da Terra, que é o único que ser que consegue destruir em grandes dimensões territoriais seu próprio habitat para poder sobreviver de forma cômoda (contraditório não?!), não podemos também deixar de contemplar tudo que ele construiu de positivo, a sua capacidade de raciocínio para modificar o espaço, todas as batalhas que o homem travou no que ele sempre julgou em sua subjetividade para o melhor para a sociedade, as lutas que ele fez com o próprio homem, pois não podemos esquecer que depois do período neolítico a história do homem e e dominar o seu próximo objetivando poder, ele em seu profundo egoísmo, executou o filho de Deus que veio na terra pregar o amor ao seu semelhante e a paz universal entre os povos, sim fazendo uma somatória de sua história que é analisada em Pré-história, história antiga, idade média, moderna e contemporânea, então resumindo toda essa viagem do homem podemos detectar uma coisa, o homem venceu e continua vencendo os obstáculos, menos um,e por mais que se tente ele nunca vencerá, o Tempo.
Disse uma vez o escrito francês Marcel Proust (1871 – 1922 ) em um jornal chamado Le Figarro, no dia 25 de março de 1913, “Os dias podem ser iguais para um relógio, mas não para um homem”. Na minha humilde e limitada interpretação ele quis dizer que o tempo para o homem jamais será igual para o relógio, porque o tempo modifica o homem, ele é o seu administrador, o seu contador, o seu analista, a sua inspiração e também o seu dono, pois “Se o tempo é o senhor da razão” é só com ele que o homem no decorrer de sua vida ele amadurece e aprende o significado da vida. O homem não tem como vencer o tempo pela simples razão de viver em função dele, segundos, minutos, horas, dias, semanas, meses anos, décadas, séculos, milênios e etc nós temos a consciência de contar ele desde os primórdios da história, com a construção dos primeiros relógios, o de sol, o de água, o de areia até chegar nos sofisticados relógios de hoje. Temos ele cronometrado para tudo em todos os aspectos, já tiveram utopistas que quiseram criar meios para voltar no tempo para consertar algo de errado, se quer a prova, é só analisar as obras do cinema como “De volta para o futuro, o Click ou o próprio filme brasileiro o homem do futuro”, então, está aí a razão dele ser inimigo, suas ações nunca serão perdoadas, jamais terás à oportunidade de corrigir o passado, no máximo compensar no presente para ver o reflexo de sua atitude no futuro. O tempo para os mesquinhos capitalistas não pode ser desperdiçado pois tempo é dinheiro, para os narcisistas o tempo também é o inimigo, pois a beleza que é a sua essência de vida para os mesmos vai perdendo a sua força a cada segundo que passa, e não adianta querer burlar o tempo simplesmente parando nele, sem querer prosseguir isso só vai piorar a situação. O tempo não espera, é implacável. O jeito é tentar viver a vida intensamente e com potencialidade, não deixar de fazer o que quer por capricho nenhum de qualquer fator que possa te impossibilitar de fazer algo que acredita ser positivo, então, viva desfrute de tudo o que puder e quiser, porque para o tempo não existe regressão, ele só faz andar pra frente e nada mais, então, o conselho que dou é não tentar vencer o tempo, estará apenas perdendo ele, apenas faça o que estiver ao seu alcance, sem olhar pra trás, pois se fizer isso a única coisa que encontrarás serão as recordações e os arrependimentos de uma vida que não voltará mais.


escrito por: Pedro Bravo Jr.

 
Camaleão sentimentalista © Todos os direitos reservados :: voltar ao topo