domingo, 23 de novembro de 2014

A Fotografia Transcendental e Nudista de Olivier Valsecchi

Quase sempre, enquanto escrevo, procuro pesquisar, seja por trilhas sonoras pra servir de inspiração ou dúvidas de ortografia, e ao fim, acabo na busca por uma fotografia, a imagem que traduza, e anteceda o texto. Essa última, é a pesquisa mais difícil e também a mais prazerosa. Pra ser sincero, todo o processo de pesquisa é uma delicia, porque  aprendo, conheço e descubro; Lugares, pessoas, línguas, coisas. E foi no meio do processo de pesquisa para um dos meus textos que me deparei com o trabalho, ou melhor, com a ARTE  de Olivier Valsecchi, artista francês de 36 anos.
Pelo o que consegui apurar, Olivier começou na musica e descobriu a fotografia enquanto produzia as capas de seus próprios discos, desde então ele pegou apreço pelas fotos e decidiu especializar-se.
O ensaio pelo qual conheci suas obras é chamado de "I am Dust" ( eu sou poeira) baseado no conceito da Fênix, o pássaro mitológico que renasce das cinzas, e também em sua própria experiência durante alguns anos com trabalhos não bem sucedidos.
 Para compor a atmosfera surrealista foram usadas cinzas de verdade, retiradas de uma lareira.
 Não tenho conhecimento técnico  em fotografia, mas sendo esta uma arte, eu aprecio e me dou ao direito de compartilhar as coisas maravilhosas que encontro.
Em seu site existem outros trabalhos, bem como, maiores informações, mas cá entre nós, a  fotografia de Valsecchi me atrai porque transcende o mundo físico, os modelos parecem estar em transição; como se fossem evoluir,  se transformarem em pessoas melhores. O jogo de luzes com as cores simplistas dão um toque melancólico,  a magia fica por conta das cinzas, e o resultado é maravilhoso:








Todas as fotos © Olivier Valsecchi




Fontes: doinelgallery.com
              hypeness.com.br

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Que a tua alma goze, todos os dias.



Meu bem,  você quer mesmo saber o que eu acho?
Então eu vou dizer!

Vá toma no cú! Foda-se você e essa sua vida cheia os de propósitos pequenos e mesquinhos.
Escolha propósitos maiores, motivos que estejam além de você mesmo e dos outros. Escolha uma verdadeira mudança, uma mudança pequena, a princípio, mas devastadora a longo prazo.

Deixa dessa de encontrar alguém, de esperar, como cantou Cazuza, "alguém que caiba no seu sonho".
Cara, para com esse lance de esperar. Vai, vai lá e faz, vai lá e muda de emprego, vai lá e muda de cidade, vai e deixa a barba crescer, vai lá e raspa a cabeça, vai lá e faz alguma coisa, mas por favor, vai, e vai logo porra!

Você já ouviu falar em contentamento da alma? Algo como quando os pelos do teu braço ficam eriçados e um vento gelado percorre a tua nuca? Tipo gozar sem estar transando ou se masturbando.
Você já sentiu isso no fim de um dia de trabalho? Ou em uma tarde de domingo depois de um almoço em família? sei lá, a tua alma já esteve em pleno contentamento por estar viva e conectada com você mesmo?

 Cara, você entende o que eu tô tentando dizer? Ou tudo isso parece loucura pra você?
Confesso que já senti isso, não sempre, mas vez ou outra, no meio do dia, na hora do almoço ou enquanto converso com algumas pessoas, de repente me vem essa sensação de contentamento, esse sublime gozo da alma, é maravilhoso, é estupendo. E de alguma forma eu sei que o caminho pro meu bem estar e felicidade é maximizar as coisas que fazem com que eu me sinta assim.

Eu só quero dizer pra você sair dessa fossa e parar de culpar a porra da sociedade e a droga do mundo, deixar dessa síndrome de adolescência tardia e encarar os fatos: você já é gente grande!
Poxa, o fato de você estar sozinho não diz nada, não é injustiça ou pecado. O fato de você ter um emprego medíocre e morar no subúrbio não quer dizer nada, nada, nada! O mundo continua girando e você não é a vitima, você tá mais para co autor da merda que é a tua vida então não me venha com mimimi. Pessoas estão morrendo enquanto eu escrevo esse texto, as estatísticas apontam. Morreram agora mesmo pessoas estupradas, atropeladas, vitimas de racismo, homofobia, machismo. Morreram  hoje umas dez no oriente médio, outras quinze lá na China, um ou dois acabaram de levar um soco de graça lá na augusta, sem falar do outro que morreu esfaqueado ontem, lá perto, no ibira. Do outro lado da rua, na assembleia legislativa um acordo foi assinado, um bilhão de reais, euros, libras e dólares em verbas públicas desviados.  E morreu agorinha mesmo, de infarto do miocárdio, mais uns vinte desgraçados. Mas ó, o mundo continua girando e não vai parar só porque você decidiu entrar em crise.

E toma  cuidado, porque esse negocio de morte é aleatório, de repente se morre, assim, do nada.
Mas de verdade cara, eu não quero que você vá tomar no cu, eu quero mesmo é que você se encontre e tenha a força, para fazer as mudanças que são necessárias.

Eu desejo que a tua alma tenha orgasmos múltiplos, todos os dias!



fotografia: Olivier Valsecchi

 
Camaleão sentimentalista © Todos os direitos reservados :: voltar ao topo